Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

TEMPO DE AGIR

As opiniões, posições políticas, pensamentos, ideias livres e a força das palavras de António Veríssimo, militante do LIVRE e activista de outras causas. Porque é urgente acordar, agir e lutar

TEMPO DE AGIR

As opiniões, posições políticas, pensamentos, ideias livres e a força das palavras de António Veríssimo, militante do LIVRE e activista de outras causas. Porque é urgente acordar, agir e lutar

13/10/17

ESTAS VERDADES QUE "MATAM"

 

Em tempos que já lá vão, frequentei uma das repúblicas de Coimbra. Não era estudante mas tinha amigos dentro da dita. E quando chegava e procurava por um ou outro dos meus amigos, a velha senhora, que era empregada da casa já há muitos anos, respondia-me: “O senhor Doutor não está. Mas se o senhor Engenheiro quiser… eu digo ao senhor Doutor que esteve cá”.

Nem o meu amigo era doutor (andava no segundo ano de medicina), nem eu era engenheiro (já deambulava pelo jornalismo) mas aquilo era um hábito velho da senhora da casa.

Não me consta que alguns doutores e engenheiros que “moram” ou"moraram" em São Bento tivessem sequer conhecido a República dos Corsários ou outra qualquer da cidade do Mondego.

Porque tenho memória, abomino tudo o que seja fascismo. Os partidos nazis, seja em Portugal, seja onde for, não deviam ser legalizados. Mas são. E contra isso pode-se gritar que não deveriam ser. Mas pouco mais se pode fazer. A não ser educar os mais jovens para os perigos que daí podem vir e falar-lhes do passado em Portugal e na Alemanha, bem como noutros países onde o fascismo foi poder. Independentemente disso, temos que contar com o feitiço que se pode virar contra o feiticeiro ou seja não podemos dar-lhes argumentos para se fazerem de vítimas. Isso, geralmente, leva muita gente atrás…E, nesta altura do campeonato, a propaganda que continua em torno de Salazar não augura nada de bom quanto ao futuro. A imagem vendida por saudosistas do passado pode enganar todos aqueles que não viveram a época do Estado Novo, não sabem o quanto outras gerações sofreram às mãos da PIDE, a polícia de Salazar que torturava e assassinava quem não pensava como o ditador de Santa Comba Dão.

Lá fora, o mundo está suspenso da vontade dos homens. Lá fora, há quem semeie ventos esperando não colher tempestades. Lá fora, há quem teime em chutar para canto as verdades que dizem que nem tudo o que parece é. Lá fora, há um poder autista que nos explora, chateia e “mata”.Lá fora, há uma praça, uma avenida, onde podemos lutar. Lá fora, há um país que espera por nós

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.